Ano Novo... Velha História...

Ano Novo, sono velho...

Ano Novo, sono de velho!



Escrito por wiwateo às 13h37
[]



Limite de caracteres...

Como se não bastasse eu ficar publicando coisas que escrevo e de que não gosto (minha paranóia com direitos autorais me impede de publicar as coisas de que gosto) esse espaço que uso para expor as coisas não possibilita que eu possa postar um conto de Natal de má qualidade de forma inteira... O limite de caracteres não permite. Ridículo!

Fora isso, a idéia até que é boa... Mas não soube escrever direito não.

Tô com fome! Que chegue logo o meio-dia...

Aproveitando que estamos aqui mesmo, às moscas que visitam meu blog a cada década (com razão, afinal não há nada de novo pra ler aqui mesmo), pergunto: o que vcs acham da moda agora, de jornalistas, profissionais de comunicação e mais um monte de gente idiota começarem a ter seus blogs e esses blogs passarem a ter destaque? E mais: o que vcs acham do fenômeno Bruna Surfistinha? rsrs...

Sabe o que eu deveria fazer... Eu deveria ficar escrevendo um monte de m... aqui só pra estourar o limite do post... Pra mostrar a deficiência desse espaço. Mas eu tenho mais o que fazer. E por isso não continuarei escrevendo mais... Ate pq, se o limite estourar, não vou me dar ao trabalho de quebrar o texto em dois posts... Vamos ter



Escrito por wiwateo às 11h46
[]



Natal de Novo - Parte III

  

(...)

 

É... Parece que a minha idéia não deu certo. Eu voltei os ponteiros, mas não aconteceu nada com o tempo... Ninguém saiu andando pra trás, como fazem nas fitas dos filmes. Não aconteceu nada... Eu fiquei aqui esperando alguma coisa mudar e nada mudou. Vou dormir. Se a mamãe souber que eu estou acordado e faltam só três casinhas pro ponteiro grandão chegar no doze, ela me mata! Que Pena...

 

 - Serginho, desce, meu filho. Que que cê tá fazendo? É hora do amigo secreto!!!

 

Ahn??? Deu certo!? Deu certo!!! É Natal de novo!!! E eu vou adivinhar todos os amigos secretos.. Eu me lembro tudo de ontem!!! Ihuuuu!!!...

 

(...)

 

Minha Tia Clara chegou em casa... Não vejo a hora de contar pro Jesiel o que eu fiz!!! (risos)



Escrito por wiwateo às 11h37
[]



 Natal de Novo - Parte II

 

(...)

  

Mamãe veio dizer que é hora de nós pararmos de brincar porque o Jesiel precisa ir embora... Que chato, viu! Já tá de noite. Daqui a pouco é hora de tomar banho até. Eu não gosto de banho! E não gosto quando chega a hora de parar de brincar. Ainda mais quando tenho meu priminho aqui... Eu falo priminho porque eu sou maior que ele. Eu tenho seis anos e ele tem cinco... Eu cuido dele sempre que estamos juntos! Mas agora o Natal está acabando e ele precisa ir... Não dá nem pra saber quando é que ele volta.

          

(...)

 

Falta 15 minutos pras 11... Minha mãe me mandou ficar quietinho pra dormir, mas me sinto mal porque o Natal está acabando... Queria que ele durasse mais... A essa hora, o Papai Noel deveria estar chegando aqui em casa ontem. Eu sempre espero ele pra poder agradecer o presente, mas eu nunca consigo ficar acordado pra conhecer ele. Se fosse hoje eu conseguiria, porque hoje eu não durmo de triste! Eu não sei olhar as horas com os ponteiros... Minha mãe anda me ensinando... Mas dá pra saber que falta pouco para acabar o dia... Eu aqui no meu quarto, deitado e olhando o relógio. Que vontade de que amanhã fosse Natal de novo! Peraí... Eu aqui no meu quarto, deitado, olhando o relógio? Eu, no meu quarto, posso fazer o que eu quiser... Eu vou mexer no tempo!!! Vou pegar o relógio e voltar os ponteiros pra que daqui a pouco seja Natal de novo. Eu só sei que os ponteiros tem que dar a volta inteirinha duas vezes. E aí o maior tem que ficar um pouquinho antes do 12, já que é ali que começa o dia... Ai! Será que quebrou? Caiu o relógio... Mas não quebrou. Eu vou mexer... O Jesiel falou que o pai dele já fez isso. Eu não conheço ninguém na tv ou no governo pra pedir pra eles mandarem mudar o tempo, mas eu vou mexer... Eu to no meu quarto. E aqui no meu quarto eu posso fazer o que eu quiser. Mamãe que disse!!! Eu vou mexer...

 

(...)



Escrito por wiwateo às 11h33
[]



 Natal de Novo - Parte I

 

Por que o Natal acaba? Ontem foi tão legal! A gente comemorou, descobriu o amigo, ganhou presente, comeu peru e dormiu com o pé sujo. Mamãe nunca me deixa dormir com o pé sujo. Ontem, ela nem notou... Eu gosto tanto de Natal... Vê só! Hoje, o pessoal tá todo aqui em casa... Chegaram na hora do almoço... Apesar de o papai só ficar gritando naquela mesa junto com os titios, a gente só come coisa gostosa. Desde cedo a mamãe já me deu panetone três vezes. Pra mim, toda semana tinha que ter um Natal... Quando eu crescer vai ser Natal sempre... E eu mesmo vou dar presente pra todos, inclusive pra mim. Vou comprar um monte de coisas. Quando eu crescer vou trocar de vídeo game todo mês. É! E aí quero ver o Éder e o Julinho ficarem se gabando de que os jogos deles são mais divertidos do que os meus...

 - O quê?  (minha mamãe tá me chamando) Já vou. (só um segundinho, tá?!)

 

(...)

 

           Minha tia Clara chegou em casa. Ela, o tio Carlos e o meu primo Jesiel. Gosto deles... Eu e o Jesiel brincamos muito. Ele não é bobo igual aos meus colegas. A gente brinca muito juntos. Ele adora jogar comigo. O jogo que a gente mais gosta é o do policial que corre atrás do ladrão. Papai disse que esse jogo já é velho, contou que ele jogava, mas eu gosto mesmo assim. A única coisa ruim é que de vez em quando não dá tempo de pegar o hominho que corre. É uma pena... Aí a gente perde com isso. O Jesiel acha muito engraçado quando isso acontece. Ele ri muito quando o “hominho” fica paralisado e aparece umas letras em inglês na tela. Eu não sei ler inglês não, tá? Só sei que é inglês porque meu pai falou. Ele disse que está escrito que o jogo acabou. Mas eu não sei ler nem português... Eu só tenho 6 anos. Vou pra escola no ano que vem, minha mãe falou. Tá chegando. Faz tanto tempo que eu quero ir pra escola...  Tá demorando pra chegar o dia. Como pode o tempo demorar tanto pra algumas coisas e passar tão rápido pra outras. O Jesiel disse que o tempo fica dentro do relógio. Eu acho que não. Mas ele disse que, uma vez, ele viu o pai dele mexer no tempo, depois que a televisão mandou. Ele falou que o tio Carlos mexeu no relógio e a tia Clara reclamou dizendo que não gostava quando o governo mandava mexer no tempo. Mas por que o governo pode ficar mexendo no tempo? Se o governo pode mexer no tempo, por que eles não aumentam o Natal? As crianças adorariam...

Esses dias eu estava jogando bola na sala. Minha ficou brava! Ela me mandou pro quarto. Falou que eu estava de castigo. Disse que qualquer coisa que eu quisesse fazer teria que ser aqui no meu quarto. Falou que na sala não é lugar de brincar e muito menos de jogar bola. Fechou a porta dizendo que no meu quarto eu posso fazer o que eu quiser, mas no resto da casa não. Eu fiquei triste. Gosto de jogar bola na sala. Jogo a bola na parede e pulo no sofá pra segurar como se eu fosse o goleiro da Seleção. Mas, aí, depois que ela veio trazer um lanche pra mim, ela me explicou que eu posso quebrar alguma coisa se continuar fazendo isso. Tudo bem... Também, depois de um tempo, vi que existe um lugar em que eu posso brincar sem deixar a mamãe brava. E esse lugar é o meu quarto. Eu tenho medo da mamãe quando ela grita... Credo!

 

(...)



Escrito por wiwateo às 11h29
[]



Sempre gostei das Ninfas...

As Ninfas
 
Fonte de inspiração da arte greco-romana, as ninfas emprestaram suas características a seres mitológicos de culturas posteriores, como elfos, fadas e gnomos. Na mitologia grega, ninfas eram as divindades femininas secundárias associadas à fertilidade e identificadas de acordo com os elementos naturais em que habitavam, cuja fecundidade encarnavam. As oceânides e as nereidas eram ninfas marinhas; as náiades, crenéias, pegéias e limneidas moravam em fontes, rios ou lagos; as hamadríades (ou dríades) eram protetoras das árvores; as napéias, dos vales e selvas; e as oréades, das montanhas. Diferenciavam-se ainda muitos outros grupos. Embora não fossem imortais, as ninfas tinham vida muito longa e não envelheciam. Benfazejas, tudo propiciavam aos homens e à natureza. Tinham ainda o dom de profetizar, curar e nutrir. Em geral, não se destacavam individualmente, embora algumas das mais citadas na literatura apresentassem genealogia definida. As nereidas, por exemplo, eram filhas do deus marinho Nereu e entre elas destacava-se Tétis, mãe do herói Aquiles. As náiades haviam sido geradas pelo deus do rio em que viviam e com elas foram mais tarde identificadas as ninfas da Mitologia Romana. Um tipo muito especial de ninfas eram as melíades, nascidas do freixo - árvore que simboliza a durabilidade e firmeza - que eram belicosas. Belas, graciosas e sempre jovens, as ninfas foram amadas por muitos deuses, como Zeus, Apolo, Dioniso e Hermes. Quando uma ninfa se apaixonava por um mortal, podia tanto raptá-lo, como aconteceu com Hilas; fundir-se com ele, como Salmácis com Hermafrodito; ou se autodestruir, como fez Eco por amor a Narciso.
 
Tétis
 
Tétis, a mais formosa das nereides, era cobiçada por vários deuses. A lenda diz que Poseidon e o próprio Zeus estavam tão entusiasmados com ela que chegaram a um ponto de quase lutar entre si. Quando, porém, um oráculo vaticinou que o filho gerado por Tétis, se tornaria mais poderoso que o pai, o entusiasmo de ambos, arrefeceu. Zeus ficou tão preocupado que decidiu arranjar-lhe um marido mortal, para que de nenhum modo a atual ordem do universo se alterasse. O escolhido foi Peleu, rei da Fítia (Tessália), filho de Éaco e neto de Zeus, por parte de pai, e grande amigo de Héracles. Era também amigo ou irmão do herói Télamon. Peleu havia sido educado por Quíron, o mais sábio dos centauros, e além de ter ajudado Héracles em Tróia, entre outras aventuras, havia participado da caça ao Javali de Cálidon e da viagem dos Argonautas. Tétis não queria se casar e usou sua capacidade de assumir diversas formas, característica das divindades marinhas, para tentar escapar do "noivo". Peleu, porém, instruído por Quíron, não se assustou com as transformações e segurou-a com firmeza até que a deusa finalmente cedeu.
 
As Ninfas do Tejo
 
Estrofe 78 do canto sétimo de Os Lusíadas
78 - ( Invocação às ninfas do Tejo e do Mondego )
        Um ramo na mão tinha... Mas, ó cego!
        Eu, que cometo insano e temerário,
        Sem vós, Ninfas do Tejo e do Mondego,
        Por caminho tão árduo, longo e vário!
        Vosso favor invoco, que navego
        Por alto mar, com vento tão contrário,
        Que, se não me ajudais, hei grande medo
        Que o meu fraco batel se alague cedo.


Escrito por wiwateo às 18h49
[]



Primavera...

Primavera: a estação que bem me quer! rsrsrs...

Escrito por wiwateo às 18h39
[]



Chico...

Cotidiano

Chico Buarque

Todo dia ela faz tudo sempre igual
Me sacode as seis horas da manhã
Me sorri um sorriso pontual
E me beija com a boca de hortelã

Todo dia ela diz que é pra eu me cuidar
E essas coisas que diz toda mulher
Diz que está me esperando pro jantar
E me beija com a boca de café

Todo dia eu só penso em poder parar
Meio dia eu só penso em dizer não
Depois penso na vida pra levar
E me calo com a boca de feijão

Seis da tarde, como era de se esperar
Ela pega e me espera no portão
Diz que está muito louca prá beijar
E me beija com a boca de paixão

Toda noite ela diz pra eu não me afastar
Meia-noite ela jura eterno amor
Me aperta pra eu quase sufocar
E me morde com a boca de pavor

Todo dia ela faz tudo sempre igual
Me sacode as seis horas da manhã
Me sorri um sorriso pontual
E me beija com a boca de hortelã



Escrito por wiwateo às 14h16
[]



Pesquisa

Poderia pesquisar eu mesmo, mas resolvi fazer um quiz...

Qual é a densidade da água marinha?

Respondam!!!



Escrito por wiwateo às 14h38
[]



Desculpinha...

Li no flog (ou foi num blog?) de uma amiga que ela postou algo apenas pra não deixar de postar...

De repente, pensei comigo mesmo a razão das pessoas sentirem necessidade de postar algo em uma página de diário virtual...

Eu mesmo estes dias me peguei com esse incômodo.

E quando me dei conta que estava pensando sobre isso, me dei conta também que tinha algo o que postar...

Resolvido o problema, deixo a resolução do questionamento pra outra hora... Outra hora que realmente haja saco pra pensar bem sobre isso ou simplesmente outra hora em que esteja precisando de alguma coisa pra pensar e poder postar depois...

O curto, o médio e o longo prazo cada qual a seu momento...



Escrito por wiwateo às 14h01
[]



Olha só o que eu te escrevi...

Além do que se vê
 
Los Hermanos
 
Moça, olha só o que eu te escrevi
É preciso força pra sonhar e perceber
que a estrada vai além do que se vê
Sei que a tua solidão me dói
e que é difícil ser feliz
mas do que somos todos nós
você supõe o céu
Sei que o vento que entortou a flor
passou também por nosso lar
e foi você quem desviou
com golpes de pincel
Eu sei, é o amor que ninguém mais vê
Deixa eu ver a moça
Toma o teu, voa mais
que o bloco da família vai atrás
Põe mais um na mesa de jantar
por que hoje eu vou pra aí te ver
e tira o som dessa TV
pra gente conversar
Diz pro bamba usar o violão
pede pro Tico me esperar
e avisa que eu só vou chegar
no último vagão
É bom te ver sorrir
Deixa vir à moça
que eu também vou atrás
e a banda diz: assim é q se faz



Escrito por wiwateo às 13h56
[]



Fado triste...

"Tem dias que a gente se sente como quem partiu ou morreu"...
E tem dias que era preferível ter partido ou morrido...
Inspiração de Chico Buarque...
Música que não ouvi ontem e que menos ouvirei hoje...
Muitas vezes as coisas começam na aparência de que darão completamente certo...
Mas, de repente, de maneira involuntárias tantas vezes, tudo vai pro ralo...
E, dependendo do dono do ralo, o canal fica entupido e toda a podridão que ele insiste em guardar sobe e se mistura à água suja que não desceu...
E dizem que as águas de certas pessoas, involuntariamente, carregam sujeiras intrínsecas...
 
-------------------------//------------------------
 
O atraso é maior do que o de costume...
E daí?
Criação coletiva no palco...
Um refresco.
Falta de alô esperado...
Já sabia!
A mesmice dos pensamentos em meio ao não saber o que pensar.


Escrito por wiwateo às 14h27
[]



Federico Garcìa Lorca

AR DE NOTURNO

Tenho muito medo
das folhas mortas,
medo dos prados
cheios de orvalho.
eu vou dormir;
se não me despertas,
deixarei a teu lado meu coração frio.

O que é isso que soa
bem longe ?
Amor. O vento nas vidraças,
amor meu !

Pus em ti colares
com gemas de aurora.
Por que me abandonas
neste caminho ?
Se vais muito longe,
meu pássaro chora
e a verde vinha
não dará seu vinho.

O que é isso que soa
bem longe ?
Amor. O vento nas vidraças,
amor meu !

Nunca saberás,
esfinge de neve,
o muito que eu
haveria de te querer
essas madrugadas
quando chove
e no ramo seco
se desfaz o ninho.

O que é isso que soa
bem longe ?
Amor. O vento nas vidraças,
amor meu !



Escrito por wiwateo às 17h38
[]



Açougue

Desconforme
 
Adamastor era um sujeito pacato... Não se estressava com qualquer coisa. Mas a semana era uma semana de cão. Daquelas em que a segunda parece durar mais, em que a terça amanhece fria, em que a quarta é somente a quarta (ultimamente odeio quartas) e em que a quinta chora de saudade da segunda. Era sexta e o ônibus, que quase sempre está lotado, desta vez não estava... E é só!!! Pois já era desconforme...
 
Cadê o contraste?
 
O pessoal reclama quando há o labirinto e começa a procura pela saída, mas ninguém encontra...
O pessoal reclama de bater a cabeça contra a parede na busca por se mandar...
Paredes brancas de um labirinto em que o branco com o branco cega, impõe quase que uma síndrome do gelo, espécie de reação que costuma assolar o organismo de quem vive nas áreas geladas do planeta... Nessas horas há quem diga que o um minotauro cairia bem.
 
Sem fundo político...
 
Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come...
Aqui ou ali? Ou seria lá?
Direita ou esquerda? Ou seria centro?
Preto ou branco? Ou seria cinza?


Escrito por wiwateo às 17h44
[]



...Vai tu mesmo!

Atenção!!!
Essa é uma continuação do post anterior... Leia-o antes
 
Continuando
 
(...)
 

- Dá uma olhada como o funcionário nem confere a grana que recebe.

- É...

- Ele vai acabar tomando prejuízo...

- É...

- Você não acha que essas catracas de ônibus dão a impressão de serem aqueles gira-giras de parquinho?

- É. Nunca tinha reparado, sabia?

- Karina e Nestor...

- Oi?

- Karina e Nestor.

- Quem são?

- Não, escreveram na janela, olha lá... Devem ser namorados...

- É...

- Quando era garoto, adorava isso.

- Namorar?

- Não, escrever nos vidros embaçados dos ônibus.

- Eu não.

- Mas e então? Posso saber qual é o seu no...

- Será que você poderia desembaçar o vidro? Tenho má impressão quando ele fica opaco desse jeito.

- Claro...

 

(...)

 

- Nunca te vi nesta linha.

- É porque eu não pego essa... Perdi a hora. E o Pousada...

- Nunca vi também esses menores nesta rua. Geralmente eles estão lá na Cerqueira. Sempre pedindo. E as pessoas nem notam. Mas eu sim...Coitados!

- Que sensível!

- Acho que vou ceder meu lugar praquela senhora. Dá licença?

- Não. Por que você não fica? O papo tá bom...

- Questão de educação.

- Será que eu posso saber seu nome?

- Dionísio.

- Prazer, Dionísio! Meu nome é...

- Senhora, por favor. Sente-se aqui... Chega pra lá um pouquinho, garota!



Escrito por wiwateo às 19h27
[]



Não tem tu...

Então... Primeiro que esse ditado anda bastante nas minhas palavras atualmente... Nem sei pq na verdade... Vira e mexe acabo falando esse negócio idiota... Mas o fato é que, depois de abandonar meu blog poucos dias após sua criação, resolvi postar essa imitação de Luis Fernando Veríssimo que fiz, mal e porcamente por sinal, para uma disciplina da facul, há meses...

A verdade é que fiquei pensando no que colocar aqui e, como não cheguei a nenhuma conclusão, como era de se esperar aliás, já que nem sei pq criei esse espaço, perfil editoria à parte, acabei resolvendo postar algo que escrevo e que não dou o mínimo valor...

Bom chega de orações intercaladas confundindo o período e destruindo com qq conselho que qq professor mediano de um curso de Jornalismo pode dar...

Saliento que coloquei algo que não dou o mínimo valor pq sou cheio de encanações com direitos autorais... Pretensão ou viagem, ou ainda os dois, isso é verdade.

Deixa eu enviar isso logo e ir ler meu mapa astral, que acabo de imprimir...

No ônibus

 

- Tá lotado, né?

- É...

- Eu não gosto de ônibus lotado.

- Eu também não.

- Ainda mais no frio.

- É...

- Posso saber qual o seu...

- Será que você poderia fechar a janela? É que meu cabelo tá esvoaçando!

- Claro!

 

(...)

 

- Desculpa!

- Que isso?!

- Pode usar.

- Não, eu não gosto de encosto de braço... Nem sei a razão de ter posto a mão.

- Ah, então tá.

- Tem um cílio no seu rosto.

- São vários.

- Não, digo na sua bochecha.

- Ah, obrigada! Saiu?

- Sim. Posso saber qual é mesmo o seu n...

- Você pode me passar a sacolinha? Precaução. Acho que não estou muito bem! E esse cheiro...

- Claro.

 

(...)

 

{Continua no próximo post }



Escrito por wiwateo às 19h25
[]



Psicologia gástrica

A mente passeia enquanto o estômago revira...

Escrito por wiwateo às 17h25
[]



Cantiga

O meu galo quebrou o bico. O meu galo não pode brigar. O meu galo quebrou o bico e não pode brigar.
O meu galo quebrou uma perna. O meu galo não pode brigar. O meu galo quebrou o bico, quebrou uma perna e não pode brigar.
O meu galo quebrou a outra perna. O meu galo não pode brigar. O meu galo quebrou o bico, quebrou uma perna, quebrou a outra perna e não pode brigar.
O meu galo quebrou uma asa. O meu galo não pode brigar. O meu galo quebrou o bico, quebrou uma perna, quebrou a outra perna, quebrou uma asa e não pode brigar.
O meu galo quebrou a outra asa. O meu galo não pode brigar. O meu galo quebrou o bico, quebrou uma perna, quebrou a outra perna, quebrou uma asa, quebrou a outra asa e não pode brigar.
O meu galo furou um olho. O meu galo não pode brigar. O meu galo quebrou o bico, quebrou uma perna, quebrou a outra perna, quebrou uma asa, quebrou a outra asa, furou um olho e não pode brigar.
O meu galo furou o outro olho. O meu galo não pode brigar. O meu galo quebrou o bico, quebrou uma perna, quebrou a outra perna, quebrou uma asa, quebrou a outra asa, furou um olho, furou o outro olho e não pode brigar.
O meu galo quebrou o pescoço... (Continua até as limitações de conhecimento anatômico do cantador em relação ao galo)


Escrito por wiwateo às 13h31
[]



Mestre Vinícius...

POEMA DOS OLHOS DA AMADA

Vinícius de Morais

Ó minha amada
Que olhos os teus
São cais noturnos
Cheios de adeus
São docas mansas
Trilhando luzes
Que brilham longe
Longe dos breus...
Ó minha amada
Que olhos os teus
Quanto mistério
Nos olhos teus
Quantos saveiros
Quantos navios
Quantos naufrágios
Nos olhos teus...
Ó minha amada
Que olhos os teus
Se Deus houvera
Fizera-os Deus
Pois não os fizera
Quem não soubera
Que há muitas era
Nos olhos teus.
Ah, minha amada
De olhos ateus
Cria a esperança
Nos olhos meus
De verem um dia
O olhar mendigo
Da poesia
Nos olhos teus.


Escrito por wiwateo às 13h21
[]



Da Constituição...

Há algumas semanas, passava eu por uma rua deserta, era fim de tarde, começo de noite e o céu estava nublado. Ia, sozinho, ao cinema. Esse costume pode ser agradável muitas vezes e, sinceramente, nunca me incomodou. Por vezes, me faz até muito bem.

Mas, como é de praxe, o que vinha à minha cabeça ia muito além do episódio que uniria as duas partes da história dos Skywalker, da caçamba cheia de entulho depositado, dos degraus da calçada ou dos pequenos pedregulhos do piche mal sedimentado no pavimento. Porém, em meio aos pensamentos ruins e lembranças magoativas que no meu divagar residiam, andando pela Rua Constituição, quando me aproximava da ex-casa de um grande amigo, lembranças de momentos bons e ruins no local e em episódios a ele relacionados enxotaram tudo que a minha mente ocupava e reflexões não muito comuns tomaram o lugar do que antes me incomodava.

 

...Uma esquina antes da casa, vislumbrei um orelhão por meio do qual, há cerca de 30 meses, fui obrigado a dar um telefonema desagradável que tratava de morte... Foi uma noite de festa para amigos e de tristeza para familiares. Vi-me, naquele dia, na iminência (confirmada) de abandonar uma festa para ir a um velório...

... A esquina me remeteu a mais coisas que a Constituição me legou (dúbio com intenção! - piadinhas infames). Me lembrou uma despedida que não era bem uma despedida. Nunca me senti tão dependente quanto naqueles momentos. Os olhares relutavam em não se tocarem mais naquela noite... Depois do boa noite, mais um quarteirão foi vencido, vitória motivada por um instantâneo arrependimento em colocar como hipótese a distância entre linhas que se viciaram mutuamente minutos atrás... A observação permaneceu até que a vista não mais se dispusesse a enxergar. E, aí, só restava cumprir com obrigações que estavam ainda pendentes, atrasadas por sinal...

 

As reminiscências duraram menos de um quarteirão... É impressionante como a velocidade da lembrança supera em muito a do tempo. E quando voltei a observar fisicamente a rua, me deparei com um antigo casarão, aparentemente abandonado do outro lado pra depois desviar os olhos para a casa que, de certa forma, motivou todas as lembranças anteriores... Pensei o quanto conhecia a edificação e que, naquele momento, pessoas que não fazia a mínima idéia de quem eram, caminhavam por onde vi amigos vomitarem, onde fiz meu primeiro trabalho na faculdade ou simplesmente onde assisti o espetacular jogo entre África do Sul e Eslovênia na Copa de 2002. A junção do início da fachada lateral do recinto que eu conhecia com a misteriosa fachada desgastada da casa antiga vista pouco antes me fez pensar em quantas casas como aquela, da qual eu só podia ver a fachada, não existiam. Pensei ainda em quantos ambientes tais casas abrigavam e em quantos locais diferentes entre si ainda me faltava conhecer. O pensamento era inevitavelmente progressivo. Pensei em quantos ambientes uma cidade média não pode hospedar. De uma cidade média a uma metrópole e, depois, ao planeta, foi questão de milésimos. De repente, lamentei a limitação geográfica e temporal a que estamos sujeitos com uma existência tão finita.

Entre desvios de lembrança e omissões tencionadas, o divagar sem chão onde pisar, como sugere o nome dessa coisa que você utiliza pra ler o que escrevi, foi até aí... Depois disso, foi preciso olhar atentamente pros dois lados, já que a Araújo é uma rua ligeiramente movimentada.

Escrito por wiwateo às 14h55
[]



Ofuscante!

"Bela como a Dalva no céu brilha!"

Escrito por wiwateo às 17h27
[]



Descrição?

Não espere nada com sentido aqui... Pode ser que até o haja, mas não será uma preocupação...
Escrever pode fazer bem... E é a partir dessa premissa que essa iniciativa impetuosa, há muito pensada e refutada, ora por questão de tempo, ora por questão de privavidade, está sendo tomada. Digo "está sendo" devido ao fato de estar escrevendo esta descrição nada descritiva apenas para conseguir abrir o blog.
É isso aí... Sei lá o que será esse espaço...

Escrito por wiwateo às 14h14
[]



Blog?

Não sei até quando, tb não sei pq... O fato é que esse negócio tá aí no ar pro pessoalzinho mais chegado...

Já foi... Hr dessas publico algo mais a ver com o que penso colocar aqui...

É isso ai...



Escrito por wiwateo às 14h03
[]



[ ver mensagens anteriores ]





Meu perfil
BRASIL, Sudeste, Homem, de 20 a 25 anos, Arte e cultura, Esportes


 


Histórico
01/01/2006 a 07/01/2006
25/12/2005 a 31/12/2005
06/11/2005 a 12/11/2005
23/10/2005 a 29/10/2005
04/09/2005 a 10/09/2005
14/08/2005 a 20/08/2005
31/07/2005 a 06/08/2005
24/07/2005 a 30/07/2005
10/07/2005 a 16/07/2005


Outros sites
Rafael - Sonhos e Clichês
Carol - Sempre na Estrada